• Frame do filme Mulambo eu
  • Cartaz do filme Chamadas
  • Cartaz do filme Folia
  • Frame do filme Ser dançante

Em formato inédito na região, o projeto Reverberações Audiovisuais no Sertão chega a Sagarana, município de Arinos-MG, com a intenção de promover um grande encontro entre 14 cineastas e a paisagem cerratense. A residência artística em audiovisual acontecerá na sede do Coletivo Ecos do Caminho e na vila de Sagarana entre os dias 1 e 7 de abril de 2023. Uma ação do Meu cinema, Nosso território em parceria com o CineBaru – Mostra Sagarana de Cinema com o objetivo de alavancar a produção audiovisual no norte e noroeste de Minas Gerais.

A proposta da Residência Reverberações Audiovisuais no Sertão é criar um deslocamento fértil para estimular a convivência entre realizadores de idades, momentos e trajetórias variadas, proporcionando trocas de experiências, estabelecendo interlocução e criação coletiva. É uma oportunidade para os residentes se dedicarem às suas produções com uma liberdade criativa muitas vezes inédita em suas vidas. O Encontro será um espaço de fomento, oferecendo lugar, tempo, interlocução e financiamento para que os realizadores audiovisuais possam se concentrar em uma nova atmosfera de criação, se permitindo a novas experimentações artísticas.

edital

Equipe

Clique nos retratos para conhecer melhor cada membro

Meu cinema, Nosso território

Meu cinema, Nosso território chega em sua terceira edição como um movimento de expansão da compreensão do setor audiovisual, entendendo o cinema como fruição, território, diversidade, potência coletiva, de experimentação e reafirmando a sua função social.

Laboratório de experiências audiovisuais e seus desdobramentos na prática singular da câmera no Território, Meu cinema, Nosso território provoca desvios, cria deslocamentos dos estigmas hegemônicos e padronizantes do cinema clássico/comercial para um outro colaborativo, inclusivo e crítico.

Fazer artístico/coletivo/colaborativo aliado ao pensamento crítico e à convivência com criadores de variadas trajetórias e faixas etárias. Apoia-se na ideia de deslocamento como ponto em comum – na perspectiva, nos suportes e, também, geograficamente. O deslocamento criativo é reflexo do que o projeto se firma: a descentralização e democratização dos cinemas e das práticas audiovisuais. Desejo de desvio do caminho já traçado, desestabilizar para estabilizar, criando novas possibilidades. O roteiro propõe atravessar e ser atravessado pelo território do norte e noroeste de Minas Gerais e pensar a produção audiovisual que dele surge de forma crítica e geradora de conhecimento.

realização

apoio

patrocínio